Medicamento para covid-19 é liberado para uso em bebês e crianças

24/11/2022 Notícias | Vacinas Saúde Livre Vacinas
[read_meter]

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta segunda-feira (21/11) o uso do medicamento remdesivir para o tratamento pediátrico contra a covid-19. O remédio é vendido no Brasil com o nome comercial Veklury, e havia sido liberado em maio desde ano para adultos. Agora há aprovação também para bebês e crianças.

De acordo com o órgão, a decisão foi baseia-se em dados de pesquisa fornecidos pelo fabricante, que demonstraram “benefício clínico sem novas preocupações de segurança” e ação esperada do fármaco similar entre adultos e crianças.

O remdesivir é um antiviral injetável elaborado pela marca Gilead. Ele começou passar por testes durante a pandemia nos Estados Unidos em 2020, e recebeu aprovação da Food and Drug Administration (FDA), a agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos americana. A European Medicines Agency (EMA) emitiu autorização para seu uso em toda a União Europeia (EU) no mesmo ano. Cerca de 50 países já o utilizam no tratamento de infecção por coronavírus.

A indicação é para bebês a partir de 28 dias de idade, com peso igual ou superior a 3 kg, que tenham pneumonia e precisam de administração suplementar de oxigênio ou outra ventilação não invasiva no início do tratamento. Também podem fazer uso crianças pesando 40 kg ou menos, sem necessidade de administração suplementar de oxigênio, mas que apresentam risco de progredir para covid-19 grave.

Segundo a Anvisa, o produto é de uso hospitalar, comercializado  em frascos de 100 mg no formato de pó para diluição. A substância age impedindo a replicação do coronavírus no organismo.

Paxlovid contra covid-19

Além do remdesivir, o fármaco Paxlovid recebeu aprovação por unanimidade da agência para venda em farmácias e hospitais particulares do país. Ampliou-se ainda a validade do medicamento, de 12 meses para 18 meses. Ele estará disponível sob prescrição médica.

O remédio é composto por nirmatrelvir e ritonavir. Em conjunto, eles agem para bloquear uma enzima que o vírus da covid-19 precisa para se replicar no organismo. A responsável é a empresa farmacêutica Pfizer.

No entanto, a indicação de uso é somente por adultos em tratamento que não requerem oxigênio suplementar e que apresentam risco de progressão para covid grave. A posologia é de dois comprimidos por via oral, duas vezes ao dia, durante cinco dias. A administração deve ocorrer assim que possível após a confirmação da doença, dentro de cinco dias após o início dos sintomas.

“O diagnóstico precoce e o tratamento ambulatorial, quando necessário, são importantes para evitar a progressão da doença para casos graves”, afirmou a diretora relatora da Anvisa, Meiruze Freitas. “A vacinação continua sendo a melhor estratégia para evitar a Covid-19, as hospitalizações e os óbitos”, reiterou.

Mesmo assim, a vacina ainda é a única capaz de prevenir a infecção. Ela está disponível gratuitamente em postos do Sistema Único de Saúde (SUS) de todo o país e em algumas clínicas particulares.

Posts relacionados

Se a vacina BCG não deixou marca no braço é preciso reaplicar?

A pequena cicatriz é comum e já esperada pelos pais quando o bebê recebe um dos seus primeiros imunizantes. Mas e se a vacina […]

[read_meter]
Saúde Livre Vacinas, 06 de junho de 2024

A importância da vacina de HPV para homens: estudo mostra queda nos casos de câncer

Enquanto a literatura médica tem documentado a redução significativa nos casos de câncer em mulheres imunizadas contra o papilomavirus humano, as pesquisas sobre os […]

[read_meter]
Saúde Livre Vacinas, 29 de maio de 2024

É ‘só’ uma gripe? Conheça os verdadeiros riscos da influenza

A influenza atinge cerca de 1 bilhão de pessoas no mundo todos os anos, com 5 milhões de casos graves e até 650 mil […]

[read_meter]
Saúde Livre Vacinas, 23 de maio de 2024