Se a vacina BCG não deixou marca no braço é preciso reaplicar?

06/06/2024 Saúde | Vacinas Saúde Livre Vacinas
[read_meter]

A pequena cicatriz é comum e já esperada pelos pais quando o bebê recebe um dos seus primeiros imunizantes. Mas e se a vacina BCG não deixou marca no braço? Será que funcionou?

BCG é a sigla de Bacilo de Calmette-Guérin, que compõe a vacina contra as bactérias do complexo Mycobacterium tuberculosis. São elas as causadoras da tuberculose, uma doença infecciosa e transmissível que afeta principalmente os pulmões, pode deixar sequelas graves e até ser fatal.

Essa é uma das doenças mais antigas identificadas pela ciência, já tendo sido chamada de tísica e peste branca. A letalidade da tuberculose teve redução no Brasil com o uso da vacina, obrigatória em crianças desde 1976. No entanto, ela permanece presente, com 78 mil casos confirmados no país em 2022.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que a aplicação da vacina chegue a prevenir mais de 40 mil novos casos anuais de meningite tuberculosa. Até um quarto da população mundial tem contato com a bactéria em algum momento da vida.

Quem deve tomar?

A recomendação dos órgãos de saúde é que a aplicação aconteça o mais cedo possível. Em geral, ministra-se a dose única ainda na maternidade, a partir de 12 horas de vida do bebê. Caso isso não aconteça, a criança pode receber o imunizante até os 5 anos. Porém, quanto antes, menor a chance de desenvolver a doença.

Em contrapartida, deve-se adiar a aplicação em casos de prematuridade em que o bebê tenha peso inferior a 2 kg, e em recém-nascidos após uso de imunossupressores pela mãe durante a gravidez.

E se a BCG não deixou marca?

A “marquinha” de até 1 cm de diâmetro é uma reação imunológica que ocorre no local em que a agulha foi inserida com a solução contendo o bacilo de Calmette-Guérin. Ela aparece em até 95% das pessoas.

Essa resposta à vacina começa com uma mancha vermelha elevada na região, e evolui para uma pequena úlcera que pode produzir secreção até a cicatrização completa, que pode levar seis meses.

Por outro lado, a falta dessa cicatriz não indica que a imunização não teve efeito. Seguindo a orientação da OMS, o Ministério da Saúde não recomenda desde 2019 a reaplicação em quem não apresentar a marca. Novos estudos mostraram que não há relação entre a marca no braço e a proteção conferida.

Além disso, até 2006, a vacina BCG tinha aplicação de duas doses – ao nascer e entre os 6 e 10 anos de idade. Atualmente, sabe-se que uma dose única na vida é suficiente para garantir a defesa do organismo.

Posts relacionados

A importância da vacina de HPV para homens: estudo mostra queda nos casos de câncer

Enquanto a literatura médica tem documentado a redução significativa nos casos de câncer em mulheres imunizadas contra o papilomavirus humano, as pesquisas sobre os […]

[read_meter]
Saúde Livre Vacinas, 29 de maio de 2024

É ‘só’ uma gripe? Conheça os verdadeiros riscos da influenza

A influenza atinge cerca de 1 bilhão de pessoas no mundo todos os anos, com 5 milhões de casos graves e até 650 mil […]

[read_meter]
Saúde Livre Vacinas, 23 de maio de 2024
Vítimas e socorristas do Rio Grande do Sul recebem orientações.

Rio Grande do Sul: as vacinas recomendadas para vítimas e socorristas

A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e a Sociedade Gaúcha de Infectologia (SGI) divulgaram nesta semana uma nota […]

[read_meter]
Saúde Livre Vacinas, 17 de maio de 2024