Por que a vacina BCG deixa marca no braço?

18/12/2022 Saúde | Vacinas Saúde Livre Vacinas
[read_meter]

Quase todo mundo tem uma – os mais velhos têm até duas. A pequena cicatriz, que costuma ficar no braço direito, é um símbolo do sucesso da vacinação na saúde pública. Mas afinal, por que a vacina BCG deixa marca no braço?

Primeiro, vamos entender do que se trata. BCG é a sigla de Bacilo de Calmette-Guérin. Ele começou a ser desenvolvido em 1906 pelos franceses Jean-Marie Camille Guérin e Albert Calmette, que também lhe emprestam o nome. O objetivo da BCG é combater as bactérias do complexo Mycobacterium tuberculosis, causadoras da tuberculose. Ela foi usada pela primeira vez em 1921.

Por que ela é necessária?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que a aplicação da vacina chegue a prevenir mais de 40 mil novos casos anuais da forma grave da doença. A tuberculose é a maior causa infecciosa de morte no mundo, superada apenas pela covid-19 – só em 2021, foram mais de 10,6 milhões de pessoas atingidas, com cerca de 1,5 milhão de óbitos.

Ainda segundo a OMS, até um quarto da população mundial tem contato com a bactéria em algum momento da vida. No entanto, o contágio ocorre somente quando os sintomas estão presentes. A vacina atua especialmente nas formas graves da doença, como meningite tuberculosa e tuberculose miliar.

No Brasil, o Ministério da Saúde tornou a administração da BCG obrigatória em crianças em ainda em 1976. Em 2020, o país registrou 66.819 casos novos de tuberculose, com notificação de 4,5 mil mortes pela doença em 2019.

Segundo dados do DataSUS, a taxa de cobertura da BCG esteve em 99,72% da população 2018, mas caiu para 86,67% em 2019 e chegou a 73,38% em 2020.

O que tem na vacina?

O imunizante contém o bacilo de Calmette-Guérin, que se obtém por meio do enfraquecimento de uma das bactérias que causam a tuberculose. Junto com ele, estão o glutamato de sódio e a solução fisiológica (soro a 0,9%).

Como se trata da forma atenuada do micro-organismo, o corpo recebe a “receita” dos anticorpos que precisa produzir, sem precisar passar pela doença. 

Quem deve tomar a BCG?

A recomendação dos órgãos de saúde é que a aplicação aconteça o mais cedo possível. Em geral, ministra-se a dose única ainda na maternidade, a partir de 12 horas de vida do bebê. Caso isso não aconteça, a criança pode ser imunizada até os cinco anos. Porém, quanto antes, menor a chance de desenvolver a doença.

A vacina também é indicada para pessoas de qualquer idade que convivem com portadores de hanseníase, além de estrangeiros que não tenham recebido a dose na infância e que estejam de mudança para o Brasil.

Por outro lado, não se aplica em bebês com peso inferior a 2 kg ou nascidos após uso de imunossupressores pela mãe durante a gravidez; pessoas com febre; lesão no local da aplicação; uso de corticoides; imunodepressão; ou durante a gravidez.

Quais são as reações?

A reação mais comum é justamente a “marquinha” no braço – uma cicatriz de até um centímetro de diâmetro aparece no local da aplicação. Inicialmente, a área fica vermelha e inchada. Uma pequena úlcera pode se formar, liberando secreção, mas que costuma ir embora em aproximadamente 12 semanas. 

Não se deve colocar nenhum tipo de medicação ou curativo na lesão. Ela é normal e não apresenta perigo. 

Apesar de ser comum, a marca não aparece em cerca de 5% dos vacinados. Isso não significa que a vacina não tenha sido efetiva, e não indica necessidade de repetir a dose.

Outras reações comuns são febre, dor muscular, mal estar e calafrios.

O que é a tuberculose?

Em primeiro lugar, a tuberculose é uma doença infecciosa e transmissível, o que torna a necessidade de imunização mais urgente. Mesmo o recém-nascido pode ter contato com algum adulto infectado, podendo provocar sequelas e até a morte. A doença afeta principalmente os pulmões, mas pode comprometer também rins, ossos e meninges (membranas que revestem o cérebro).

Uma das formas graves, a tuberculose miliar ocorre quando as bactérias se deslocam pela corrente sanguínea e se disseminam pelo corpo. Ela atinge também a medula óssea, causando tosse, febre, anemia, dificuldade de respirar, náuseas, vômitos, dor abdominal e outros sintomas.

A mais letal, no entanto, é a meningite tuberculosa, que atinge as membranas cerebrais. Ela costuma começar seis meses após o contágio com piora gradual. Os sintomas incluem febre, rigidez na nuca, confusão mental, dificuldades locomotoras, forte de dor de cabeça e vômitos, podendo levar ao coma.

Sua família está protegida? Agende a sua vacina na Saúde Livre.

Posts relacionados

Se a vacina BCG não deixou marca no braço é preciso reaplicar?

A pequena cicatriz é comum e já esperada pelos pais quando o bebê recebe um dos seus primeiros imunizantes. Mas e se a vacina […]

[read_meter]
Saúde Livre Vacinas, 06 de junho de 2024

A importância da vacina de HPV para homens: estudo mostra queda nos casos de câncer

Enquanto a literatura médica tem documentado a redução significativa nos casos de câncer em mulheres imunizadas contra o papilomavirus humano, as pesquisas sobre os […]

[read_meter]
Saúde Livre Vacinas, 29 de maio de 2024

É ‘só’ uma gripe? Conheça os verdadeiros riscos da influenza

A influenza atinge cerca de 1 bilhão de pessoas no mundo todos os anos, com 5 milhões de casos graves e até 650 mil […]

[read_meter]
Saúde Livre Vacinas, 23 de maio de 2024