SUS e rede privada: quais são as diferenças entre as vacinas?

19/08/2022 Saúde Saúde Livre Vacinas
[read_meter]

Duas opções estão disponíveis no Brasil para buscar vacinas: a rede pública, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) e a rede particular. A primeira oferece imunização gratuita, enquanto as clínicas e hospitais particulares tem preços variados. Mas entre SUS e rede privada, qual é mais vantajosa para a sua família?

Vacina do SUS e rede privada

A primeira diferença pode ser vista no cronograma de doses: rede particular segue o calendário da Sociedade Brasileira de Imunização (SBIM), mais completo, e o calendário de vacinação da rede pública é norteado pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), que inclui apenas as doses básicas.

Apesar disso, ambos usam vacinas de boa qualidade, seguras, e aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O motivo da oferta menor no SUS é que o sistema procura priorizar as doenças mais comuns para que seja possível vacinar um número maior de pessoas e garantir uma cobertura adequada pelo país. A prioridade é a saúde coletiva, dentro do que o orçamento público permite.

Já nas clínicas privadas, é possível escolher a vacina de acordo com a necessidade e interesse de cada pessoa. Elas são as responsáveis por fornecer medicamentos que são indispensáveis a grupos menores da população, contribuindo para a diminuição de contágio de diversas doenças.

Menos dor e menos picadas

Entre SUS e rede privada, também pode-se observar a distinção de cobertura de cepas de cada vacina. O fármaco contra a gripe, por exemplo, é disponibilizado na rede pública na versão trivalente, que protege contra três tipos de mutações do vírus. Na rede particular, além dessa versão, é ofertada a quadrivalente, que tem defesa contra quatro cepas do vírus da gripe.

As reações e o número de doses entre as vacinas são outro ponto de diferenciação. Para ilustrar, a pentavalente, encontrada na rede pública, contempla cinco enfermidades: difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e a bactéria haemophilus influenza tipo B (que causa meningite, septicemia e pneumonia. Ela é feita a partir de partes inteiras da bactérias. Uma segunda dose inclui a proteção contra a poliomielite.

Enquanto isso, a rede privada tem a hexavalente, vacina acelular que apresenta até 95% menos chance de reação. Além das cinco doenças da penta, ela já abrange também a poliomielite, tornando necessária somente uma picada.

Para saber mais sobre vacinas e escolher a ideal para você e sua família, veja o guia da Saúde Livre.

Posts relacionados

Se a vacina BCG não deixou marca no braço é preciso reaplicar?

A pequena cicatriz é comum e já esperada pelos pais quando o bebê recebe um dos seus primeiros imunizantes. Mas e se a vacina […]

[read_meter]
Saúde Livre Vacinas, 06 de junho de 2024

A importância da vacina de HPV para homens: estudo mostra queda nos casos de câncer

Enquanto a literatura médica tem documentado a redução significativa nos casos de câncer em mulheres imunizadas contra o papilomavirus humano, as pesquisas sobre os […]

[read_meter]
Saúde Livre Vacinas, 29 de maio de 2024

É ‘só’ uma gripe? Conheça os verdadeiros riscos da influenza

A influenza atinge cerca de 1 bilhão de pessoas no mundo todos os anos, com 5 milhões de casos graves e até 650 mil […]

[read_meter]
Saúde Livre Vacinas, 23 de maio de 2024