Vacina da chikungunya induz resposta imune em 98,8% dos vacinados

27/11/2023 Notícias | Saúde | Vacinas Saúde Livre Vacinas
[read_meter]

O vírus da chikungunya pode estar mais perto de ser combatido. O Instituto Butantan, junto com a empresa de biotecnologia franco-austríaca Valneva, mostrou que o imunizante que está sendo desenvolvido induziu uma resposta positiva em 98,8% dos casos.

A vacina está na terceira fase de ensaio clínico, que está sendo conduzido no Brasil. Dessa forma, a expectativa é de solicitar a aprovação Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no Brasil e na European Medicines Agency (EMA), na Europa, ainda no primeiro semestre de 2014. Além disso, ela já foi aprovada nos Estados Unidos pelo órgão regulador do país, a Food and Drug Administration (FDA).

O estudo mostrou que a vacina de chikungunya funciona tanto para quem já teve contato quanto para quem nunca se expôs ao vírus. Em quem já se contaminou anteriormente, encontraram-se anticorpos protetores em 100% dos casos.

Segundo Esper Kallás, diretor do Butantan, “os dados são excelentes e mostram que estamos no caminho certo. É uma vacina segura e com alta capacidade de induzir anticorpos protetores. Estamos otimistas que, respeitando todas as etapas de estudos e validação pelos órgãos reguladores, poderemos oferecer essa vacina para proteger as pessoas desta doença que infelizmente acomete o país”.

Chikungunya

Em 2023, registraram-se 143.739 casos prováveis de chikungunya no Brasil, com 82 óbitos confirmados. De acordo com o Ministério da Saúde, as regiões mais afetadas são o Sudeste, seguido no Nordeste e do Centro-Oeste.

Os mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus são os responsáveis pela transmissão. Os principais sintomas são febre, dores nas articulações, dores pelo corpo, erupção avermelhada na pele, náuseas, vômitos e diarreia.

A doença, que já circula em mais de 110 países, pode deixar sequelas, como por exemplo fortes dores crônicas nas articulações, além de gerar complicações graves em recém-nascidos.

Posts relacionados

Vacinas para viagem: saiba quais destinos exigem e quais documentos levar

Assim como decidir o destino, adquirir as passagens e coordenar as datas, o cuidado com a saúde deve ser planejado com antecedência para evitar surpresas e garantir um passeio tranquilo. As vacinas para viagem, por exemplo, precisam ser tomadas pelo menos 15 dias antes para que tenham tempo de desenvolver a proteção.

[read_meter]
Saúde Livre Vacinas, 19 de junho de 2024

Se a vacina BCG não deixou marca no braço é preciso reaplicar?

A pequena cicatriz é comum e já esperada pelos pais quando o bebê recebe um dos seus primeiros imunizantes. Mas e se a vacina […]

[read_meter]
Saúde Livre Vacinas, 06 de junho de 2024

A importância da vacina de HPV para homens: estudo mostra queda nos casos de câncer

Enquanto a literatura médica tem documentado a redução significativa nos casos de câncer em mulheres imunizadas contra o papilomavirus humano, as pesquisas sobre os […]

[read_meter]
Saúde Livre Vacinas, 29 de maio de 2024